sábado, 30 de junho de 2018

Macarani: No vale tudo da política, ex-prefeitos Nogueira e Armando Porto, inimigos políticos históricos, se unem para as eleições deste ano



De tempos em tempos, a política brasileira tem requintes surreais, principalmente nos pleitos municipais, onde a conveniência dita a tônica de alianças consideradas inimagináveis firmadas por velhos adversários, considerados irreconciliáveis que, como num passe de mágica se acertam e viram parceiros na busca de terem suas possibilidades de vitória aumentadas ou de quem eles apoiam politicamente.
Foi o que aconteceu em Macarani esta semana com a união dos ex-prefeitos Armando Porto e Nogueira, que se abraçaram e juraram fidelidade mútua, causando perplexidade na população que conhece a história política dos personagens. Para alguns trata-se de um momento histórico, entretanto, a maioria considera o acordo como um esdrúxulo conveniente, cujo objetivo é contrapor as candidaturas dos candidatos a deputado federal, José Rocha e Fabrício Falcão, estadual, apoiados pelo atual prefeito, Dr. Miller Ferraz.
Demonstrando incoerência e infidelidade partidária, Armando Porto optou por apoiar os candidatos de Nogueira, em detrimento dos da sua legenda, PSD, ou mesmo os velhos conhecidos, como Heraldo Rocha e Benito Gama. Levará para o palanque Rosemberg Pinto, do PT e Ronaldo Carlleto, PP. Ambos concorrerão à reeleição para deputado estadual e federal respectivamente. O ex-prefeito Nogueira que se afastou do deputado estadual Robinho, encontrou nesta aproximação com seu Armando Porto a oportunidade que precisava para se manter ativo na política local.
Alianças, entendimentos e união de grupos é fato corriqueiro na política brasileira. Então porque essa apropinquação dos ex-prefeitos Nogueira e Armando deixou a população de Macarani aturdida? A resposta remete ao fato desses políticos serem personagens que protagonizaram ferrenhas, vorazes e aferrenhadas disputas eleitorais no município, extrapolando os limites democráticos e republicanos para se chegar ao poder.
Em função disso, armandistas e nogueirenses não se consideravam adversários, mas inimigos políticos e pouco se sabe sobre o que foi pactuado para que o “milagre” dessa reaproximação acontecesse. Fato é que, por serem seus candidatos completamente ausentes de Macarani, não terem feito rigorosamente nada que mereça reconhecimento popular, apesar de já terem sido votados no município, o discurso já está pautado: críticas marketadas à atual administração e, mais uma vez, promessas que nunca serão cumpridas.    
Nessa vertente, Ronaldo Carlleto, o deputado do helicóptero, já deu a largada ao declarar que o prefeito Miller Ferraz não é da cidade, um desconhecido e, em tom de deboche, se colocou como o arauto da beneficência, único capaz de solucionar os problemas locais e que não o fez porque não fora procurado pelo atual prefeito, esquecendo de dizer que nas cidades do extremo sul do estado, onde se concentra a sua votação, ele empenhou vultuosos recursos sem que prefeito nenhum lhe pedisse.
Similarmente acontece com o deputado Rosemberg Pinto, petista que perdeu espaço no poder central e concentra sua atenção em poucas cidades do oeste baiano, Itororó e na própria capital do estado. Bom de fala e fraco nas ações, que digam os ex-prefeitos José Carlos Moura de Itapetiga e Adroaldo Almeida da cidade de Itororó que o apoiaram e fracassaram.
O que todos sabem é que terão pela frente uma batalha indigesta, difícil de combater, principalmente porque os deputados apoiados pelo prefeito Miller Ferraz trabalharam e continuam trabalhando pelo povo de Macarani. A parceria é do início da administração e engloba inúmeras realizações, nas esferas estadual e federal. Fabricio Falcão, deputado estadual e José Rocha, federal, abraçaram a causa e, juntos, somaram forças na aquisição de projetos, maquinários, ambulâncias, casas populares, praças, pavimentação de bairros, investimentos na saúde, principalmente no Hospital Municipal São Pedro que será reestruturado e ganhará equipamentos de primeiro mundo, ao custo de 1 milhão de reais, liberados pelo deputado federal, José Rocha.
A mesma população que não consegue entender a repentina amizade de Armando porto com Olisandro Nogueira, sabe que ela não será definitiva. Juntos estarão nas eleições deste ano, porém, dificilmente se manterá em 2020, quando voltarão a se engalfinhar na luta pela prefeitura. É o que todos imaginam.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários são moderados. A administração do blog não publicará comentários ofensivos, depreciativos, apológicos e nem conteúdo racista.